Pode parecer que não, mas existe um armazém nos arredores de Lisboa onde tudo isto acontece...
.posts recentes

. Olho de serpente

. Uma Questão de Cor

. O Homem da Maratona

. Andamos todos aos pacotes...

. Há excepções

. Uma questão de status

. O homem do Smart

. Personagens - Surucucu

. Lapónico

. Personagens - Idália

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

Sexta-feira, 25 de Abril de 2008
Andamos todos aos pacotes
Esta história do Armazém 6 remonta há alguns meses. Teve sempre uma continuidade até hoje, onde culminou da melhor maneira.
No Armazém 6, naquela minúscula copa onde circulam os tupperwares de todos, existe uma máquina de café. Todos se podem servir sem custo.
Ao lado dessa máquina existem obviamente os acessórios necessários para quem quer beber o seu cafézinho: Um recipiente com pauzinhos de plástico, copos de plástico pequenos e um cubo de plástico transparente onde estão depositados pacotes de açúcar individuais.

Foi neste cubo que tudo começou...

Há algum tempo descobri, escondida atrás da máquina, uma sinistra embalagem de ColaCao , sem rótulo e já um pouco gasta pela erosão do tempo.
Estava meio cheia (ou meio vazia) de uma substância sólida, granulada e branca.
Aquilo despertou a minha curiosidade e não resisti a perguntar a uma das “armazenadas” se alguma vez tinha reparado na embalagem.
- Pá, atão não sabes?! – surpreendeu-se.
- Eu, não...
- A Cabeça de Fósforo quando bebe café só mete meio pacote de açúcar, a outra metade mete ali dentro para um dia levar a embalagem de ColaCao cheia e fazer um bolo em casa.
- Ah, que giro... – respondi.

A minha cabeça transformou-se num turbilhão. Mas que ideia! A Cabeça de Fósforo bebe, pelo menos, uns quatro cafés por dia.
Não seria mais lógico, guardar as metades e ao fim do dia ter gasto dois pacotes de açúcar?
Mas enfim...

Ao fim de uns dias tive a ideia e a oportunidade....

Doentiamente, sempre que me encontrava livre de perigo, abria o armário da copa, agarrava numa embalagem de sal fino Vatel, que estava lá perdida há uns tempos, e “Zuca!”:
Metia boas doses de sal dentro da lata de ColaCao da Cabeça de Fósforo.
Bem sei. Não devia fazê-lo.
Mas era sempre mais forte que eu.

Isto durou uns quatro meses.À hora de almoço, quando o Armazém 6 se esvaziava, lá ia eu determinada na minha missão.
Se me atrasava às 18h na saída lembrava-me:
“Mais um pouco, vá lá...”, que nem uma criminosa “E ZUCA!!!”

E assim correu o tempo...

A semana passada, o Armazém 6 andava um pouco desanimado..

Não havia café há três dias...

No primeiro dia algumas iam ao Torto, mas também esse café se acabou rapidamente.
Eram verdadeiros tempos de crise.

Na quinta-feira, Sapo Atropelado chegou triunfante de manhã:
- Trouxe café, este café era do Isidro! Sabem, a máquina dela avariou e blá blá blá...
Desta vez todos ouvimos a história completa, pois de alguma maneira lhe devíamos aquele café que em breve estaríamos saboreando.
- Boa!!Xavala! Bué da Fixe! Saca aí um cafézinho...
Mas, de repente, fez-se silêncio....

O cubo....
Estava vazio...
Não havia pacotes de açúcar!!

Foi a desilusão total.

Cabeça de Fósforo viu-se então com a grande oportunidade de usar a sua embalagem de ColaCao.
- É assim. Eu tenho aqui açúcar e não sei quê...
Seguiu-se uma salva de palmas e começou a formar-se uma pequena fila na direcção da máquina.
Eu fingi atrasar-me e fiquei em último. Esperava ansiosa o que estaria para acontecer.
Esperei...
Veio a primeira...
Tirou o café, colocou o açúcar, mexeu, soprou para dentro do copo e bebeu...

- PPPFFFFRRRRR!!!! – Cuspiu o café sujando uma “armazenada” que estava à frente.
- Fosga-se!!!!
- Qué?! Qué que foi minha?!
- Este café é uma merda!!!
- Olha lá, estás a ser parva tábem? Este café foi o meu Isidrinho que trouxe, é do melhor... – choramingou Sapo Atropelado
- Então prova!
A confusão estava instalada...
A “armazenada” que tinha sido atingida pelo café cuspido, estava aos gritos, dizendo que lhe tinham estragado as calças, outras gritavam que queriam provar o café e, atropelando-se umas às outras, discutiam enquanto Sapo Atropelado murmurava nomes carinhosos ao seu Isidrinho.
Todos questionavam a qualidade do café e chegaram mesmo a dizer que este sabia a sal, mas ninguém se lembrara que o defeito poderia vir do açúcar.
Até que Cabeça de Fósforo se acendeu e disse:
- É assim, vou provar o açúcar e não sei quê.
Meteu um dedo dentro da embalagem de ColaCao, e, no suspense da situação, provou.
- É assim, o açúcar está bom e não sei quê. É assim: Sabe a açúcar.

Fiquei surpresa, mas nada disse... Talvez não tivesse apanhado um bocado com sal...

- Mas o café é bom... – insistia Sapo Atropelado.
A confusão durou quase toda a manhã.

Quase à hora de almoço Cabeça de Fósforo encerrou a questão:

- É assim, o café está bom, o açúcar também e não sei quê, por isso, é assim, aquele açúcar deve fazer alguma reacção química com o café que faz com este fique salgado e não sei quê.
Como pareceram mais ou menos todos satisfeitos com a explicação. O assunto morreu ali.
Morreu?
Não.
No dia seguinte o cubo dos pacotes de açúcar ainda viria a dar que falar.
Na manhã de sexta-feira, vieram trazer pacotes de açúcar e encheram o cubo.
Finalmente pode beber-se café decente.
Andava tudo mais bem disposto.

Mas...Depois do almoço, o cubo estava de novo vazio...
Alguém roubara os pacotes de açúcar!

De novo instalou-se a confusão.
Cabeça de Fósforo chamou os seguranças...Andou empenhada para que se instalassem câmaras de vídeo vigilância, para que se pudesse descobrir o ladrão de pacotes de açúcar.
Ao fim da tarde vieram de novo encher o cubo.
Passou-se o fim-de-semana.
Segunda-feira de manhã o cubo estava de novo vazio!
Pelo menos, pensei, nós as “armazenadas” estávamos ilibadas.

Pensei mal...

A meio da manhã Cabeça de Fósforo anunciou:
- É assim, a partir de agora quem quiser um pacote de açúcar e não sei quê tem que me pedir. E fechou os pacotes de açúcar à chave na mesma gaveta onde ainda está a lanterna de emergência (ver o episódio do simulacro de incêndio)!
Assim foi.
Mas como no Armazém 6 ainda somos uns 12, Cabeça de Fósforo passou a manhã de hoje a levantar-se para abrir a gaveta.
- Olha - dizia sempre alguém um pouco tímido – podes dar-me um pacote de açúcar? É que queria beber um café...Cabeça de Fósforo atirava com o pacote e dizia:
- É assim, toma lá...
Passados dez minutos ia outro e outro e outro...Um corrupio...
Então, Cabeça de Fósforo arranjou uma solução:
De meia em meia hora, levanta-se, arrasta os pés até à copa e espreita pela porta na direcção do cubo. Se o cubo está vazio, volta para trás, abre a gaveta, retira 5 pacotes de açúcar, regressa à copa, coloca os pacotes no cubo e volta ao seu lugar.
Se o cubo ainda tem um ou dois pacotes, volta atrás e espera que este esteja vazio (sempre controlando pelo canto do olho quem é que bebe café) para repetir o processo atrás descrito.

Não me parece que o sal no açúcar esteja relacionado com o desaparecimento dos pacotes, mas bem que podia a Cabeça de Fósforo ter fechado a embalagem de ColaCao na gaveta e ter decido enchê-la “controladamente”. É uma questão de segurança, de quem tem o poder do “posto a que já cheguei”Convenhamos...
publicado por bruaca às 12:47
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De MrCosmos a 27 de Maio de 2008 às 20:57
já aqui vim bué da vezes a procura de uma nova "cegada" do armazem 6, e tu, népia! isso não se faz! primeiro aguças-nos o bico e depois deixas-nos reféns...

Vá! Faz-te a vida, caraças!
cumptos do Mr.
De bruaca a 28 de Maio de 2008 às 15:38
Tens toda a razão!
Eu prometo que amanhã no máximo meto mais uma coisa...
Tenho andado em mudanças e sem tempo nenhum...

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.links
.contador
.Candidato a
blogs SAPO
.subscrever feeds